Contactos

CARBOL CONSULTOR IMOBILIÁRIO

  • Pessoa de contato: CARBOL CRECI nº 115485
  • Telefone: +55 (11) 98920-30-94
  • +55 (11) 2503-24-05
  • Skype: fcarbol
  • Endereço postal: Av. Duque de Caxias, São Paulo, São Paulo, 01214-100, Brasil

Renovações do site

O Estado de S. Paulo

O Estado de S. Paulo
Preço do imóvel pronto desacelera Cotação média do m² em sete cidades tem alta de 1,4% em março, aponta Fipe Zap

03/04/12 16:00

Márcia De Chiara, de O Estado de S. Paulo
SÃO PAULO – O preço médio de venda do metro quadrado dos apartamentos prontos em seis municípios do País e no Distrito Federal subiu 1,4% em março em relação a fevereiro, segundo o Índice Fipe Zap. O resultado sinaliza uma desaceleração na variação mensal dos preços. Em fevereiro, o índice tinha subido 1,5% na comparação com janeiro. A última vez que a variação de preços em março ficou aquém da de fevereiro foi três anos atrás, em 2009.
Em 12 meses até março, os resultados confirmam a tendência de desaceleração. A variação acumulada no período foi de 24,8%, ante 25,5% em fevereiro. Das sete regiões pesquisadas, houve redução no ritmo de alta dos preços em cinco delas de fevereiro para março.
Esse movimento é nítido nos dois principais mercados imobiliários do País. Em São Paulo, por exemplo, os preços subiram 1,3% em março, depois de terem aumentado 2,5% em fevereiro. No Rio, a alta foi de 1,4% no mês passado. Em fevereiro, as cotações tinham subido 2,6%. Somente houve aceleração dos preços nas praças de Belo Horizonte, de 2% em fevereiro para 2,6% em março, e no Distrito Federal, de 1,5% em fevereiro para 1,7% no mês passado, diz a pesquisa.
"A desaceleração dos preços de venda dos imóveis prontos é uma tendência, mas não é preocupante", afirma o coordenador da pesquisa, o economista Eduardo Zylberstajn. Ele destaca que o movimento não preocupa porque não se trata de uma reversão, mas de um ajuste. Com o aumento da oferta do crédito imobiliário com prazos mais dilatados e taxa de juros menores, a procura por imóveis aumentou e os preços subiram. O que se vê agora é uma desaceleração no ritmo de vendas e a perda de fôlego dos preços.
Ele não acredita que ocorra queda nas cotações e a perspectiva é de que elas se estabilizarem em níveis elevados. "O que houve nos últimos meses é que, para determinado nível de preços, menos gente pode comprar imóveis." Esse comportamento freia a escalada de preços, mas não provoca queda. Preços
"Não deveremos ter variações mensais de preços na faixa de 2% a 3%, como ocorria no passado", prevê Zylberstajn.
No mês passado, o preço médio do metro quadrado dos apartamento prontos anunciados nas sete regiões pesquisadas foi de R$ 6.446. Os imóveis localizados no Distrito Federal lideraram o ranking das cotações, com R$ 8.100. Em seguida está o Rio de Janeiro, com cotação média de R$ 7.796; São Paulo com R$ 6.295 e Recife com R$ 5.122. As três últimas posições no ranking de preços do metro quadrado são ocupadas por Belo Horizonte (R$ 4.735), Fortaleza (R$ 4.410) e Salvador (R$ 3.688).
Os maiores preços na cidade do Rio de Janeiro foram registrados no Leblon, onde o metro quadrados dos imóveis residenciais vale R$ 17.448, e em Ipanema, com uma cotação de R$ 16.405. Na cidade de São Paulo, os preços mais altos foram captados nos bairros do Ibirapuera e da Vila Nova Conceição, onde o metro quadrado custa R$ 9.913, e no Jardim Paulistano, onde a cotação está em R$ 8.749.
Automóveis. Ao contrário do mercado de automóveis, cujas vendas de carros zero quilômetro recuaram 0,8% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, Zylberstajn não acredita que esse movimento ocorra com os imóveis. "O mercado imobiliário tem uma dinâmica própria", observa.
O economista explica que, no caso dos imóveis, o excesso de endividamento e aumento da inadimplência acabam funcionando como um freio nas compras. Já nos imóveis, como a taxa de juros é baixa e os prazos são longos, a inadimplência é baixa. Além disso, a renda continua crescendo e o emprego está fortalecido.
Com a mudança na legislação, que permite a retomada dos imóveis não pagos depois de 90 dias, a inadimplência do setor imobiliário é cadente , diz o economista. Também, diante desse mecanismo facilitado de recuperação do imóvel, as instituições financeiras ampliaram a oferta de crédito para compra da casa própria nos últimos tempos. Com relação ao aluguel, a pesquisa da Fipe Zap mostra que a relação entre o valor do aluguel e o preço do metro quadrado de um imóvel pronto permanece estável, na faixa de 0,5% ao mês em São Paulo e de 0,40% no Rio.

Notícias anteriores
O Estado de S. Paulo
O Estado de S. Paulo

28/03/12 11:15

Venda de imóveis novos cresce 28,7% em janeiro, diz pesquisa da Secovi-SP Alta se deu em relação ao mesmo mês do ano passado; segmento de 2 dormitórios continua liderando as vendas
01/02/2012 VIA VALOR ECONÔMICO - 31/01/2012 - CHIARA QUINTÃO

27/03/12 14:02

LOPES FECHA 2011 COM MELHOR DESEMPENHO DE VENDAS
08/02/2012 VIA FOLHA DE S. PAULO - 06/02/2012
08/02/2012 VIA FOLHA DE S. PAULO - 06/02/2012

27/03/12 13:58

INVESTIMENTO EM IMÓVEL COMERCIAL ATRAI JOVENS